Full width home advertisement

Curiosidades

Saúde

Psicologia

Post Page Advertisement [Top]

psicologia

Psicologia do Cheiro - 3 Cheiros Que Mudam Atitudes!

 
"O olfato é um sentido muito interessante. Sem dúvida, pode trazer prazer e emoção. Além disso, também pode causar uma mudança de atitude. Como isso é possível?"

De acordo com os psicólogos sociais, várias sensações físicas têm efeitos curiosos na experiência mental. Mais especificamente, a psicologia do cheiro estuda a influência que um cheiro específico tem no comportamento de uma pessoa.

A psicologia do cheiro estabelece que o cheiro é uma sensação física capaz de moldar como uma pessoa responde a um estímulo. Além disso, determina se ela gosta de algo ou não. Shakespeare escreveu, “Se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume”. Mas, se ninguém puder sentir o seu cheiro, a rosa perderá seu aroma doce?

Possivelmente sim. Isso também pode acontecer com a pessoa com quem você encontrou que alegrou seu dia na rua. Isso acontece porque essa característica doce, inebriante e fresca fica associada a ela. A psicologia do cheiro diz que o olfato é um sentido relacionado à memória, às emoções e à nostalgia.

Psicologia do cheiro: cheiros que causam reações

 

O livro The Scent of Desire: Discovering Our Enigmatic Sense of Smell”, de Rachel Herz, é, talvez, o livro mais relevante que foi publicado nos últimos anos sobre a psicologia do cheiro. Nele, ela fala sobre a importância do olfato em nossas vidas e analisa como ele nos influencia em campos importantes, como a alimentação e a reprodução.

Os cheiros são sensações físicas que mediam experiências mentais. Mesmo quando você não tem consciência de um cheiro no ambiente, ele pode guiar sutilmente seus pensamentos e julgamentos de maneiras surpreendentes. Neste artigo, daremos três exemplos.

Cheirar a peixe não transmite confiança


Um artigo de Spike Lee e Norbert Schwarz apresentou sete estudos que mostram uma ligação entre a percepção do “cheiro de peixe” e a suspeita social. Você provavelmente já ouviu falar que algo “cheira a peixe podre” para se referir a um fenômeno ou entidade que parece suspeita ou não confiável para você.

Eles chegaram a essa conclusão após vários interessantes estudos nos quais avaliaram as expressões críticas das pessoas. Lee e Schwarz argumentam que a existência dessa metáfora reflete algo importante: um vínculo mental entre a sensação física real e a sensação de que algo está acontecendo.

Brincando com um cheiro de peixe ao fundo

 

Em um de seus estudos, pessoas jogavam em uma sala e o andamento do jogo dependia de confiar ou não no parceiro. Enquanto as pessoas jogavam esse jogo, os pesquisadores colocavam um leve cheiro de peixe no ar em alguns momentos. Para garantir que não se tratava de um cheiro desagradável em geral, projetavam outro cheiro em outros momentos.

Durante o jogo, eles queriam ver o quanto os jogadores confiavam em seus companheiros de equipe. Quando as pessoas jogavam em uma sala com um leve cheiro de peixe, elas jogavam de uma maneira que sugeria que não confiavam tanto em seus oponentes. Por outro lado, quando havia outro cheiro ruim presente, elas não pareciam tão desconfiadas.

Roger Dooley, em seu blog de Neuromarketing, fez uma interessante sugestão com base nessa pesquisa. De acordo com ele, é errado fazer reuniões de negócios em restaurantes de frutos do mar. Acredite ou não, as pessoas com quem você estiver lidando podem associar o cheiro de camarão a uma intenção oculta.

O cheiro de limpeza deixa tudo melhor


Agora, falamos de um artigo da American Psychologist Journal, intitulado “Smells Like Clean Spirit: Nonconscious Effects of Scent on Cognition and Behavior”. Nele, os pesquisadores estudaram os efeitos do cheiro nos processos cognitivos e comportamentos.

Dois estudos testaram e confirmaram que quando os participantes foram expostos a um produto de limpeza com cheiro cítrico, houve uma melhora na acessibilidade do conceito de limpeza.

Os pesquisadores tiraram essa conclusão ao observar a identificação mais rápida de palavras relacionadas à limpeza em uma tarefa de decisão lexical. Também foi mais frequente listar atividades relacionadas à limpeza ao descrever comportamentos esperados durante o dia.

Maior acesso a termos de limpeza e mais comportamentos de limpeza

 

Finalmente, um terceiro estudo estabeleceu que a mera exposição ao cheiro de um produto de limpeza multiuso fazia com que os participantes mantivessem seu ambiente direto mais limpo durante uma tarefa em que eles tinham que se alimentar.

Como parte do estudo, logo após passar algum tempo em uma sala que continha o aroma cítrico do produto de limpeza, os participantes foram levados a uma sala onde tinham que comer um biscoito.

Algo muito interessante aconteceu. As pessoas que tinham passado algum tempo na sala com cheiro de limpeza continuaram a limpar migalhas de biscoito da sua mesa na segunda sala em maior medida do que as pessoas que não tinham. Elas foram “subliminarmente” expostas ao cheiro de limpeza.

A psicologia do cheiro: pum, nojo e julgamento moral


O que vamos falar a seguir pode parecer uma piada. No entanto, trata-se de pura ciência. Alguns pesquisadores usaram spray com cheiro de pum como uma maneira ambiental sutil de fazer as pessoas sentirem nojo.

Acontece que o nojo é uma emoção que pode influenciar o julgamento moral. Quando uma pessoa sente nojo com base em sensações físicas, é possível que ela confunda com um nojo do comportamento de alguém.

Como o cheiro influencia o julgamento moral

 

Em um conjunto de estudos, pesquisadores usaram um spray com cheiro de pum para induzir uma repulsa leve e inconsciente. Como resultado, isso levou as pessoas a fazer julgamentos morais mais severos.

O processo foi simples. Antes do início do estudo, os pesquisadores borrifaram parte do produto em uma lixeira próxima à área de pesquisa (em outras condições, não cheirava).

Enquanto as pessoas se sentavam na sala para conduzir a pesquisa, elas respondiam perguntas sobre quão extremos eram seus julgamentos morais sobre alguns atos específicos que poderiam ser considerados imorais. Por exemplo, os pesquisadores perguntaram a elas: “Quão moral ou imoral você considera o sexo consensual entre primos?”

As pessoas que realizaram a pesquisa em uma sala com um leve cheiro de pum (um cheiro que eles não detectaram conscientemente) acreditaram que os atos eram mais imorais do que as pessoas que realizaram a pesquisa em uma sala sem esse cheiro.

Esses três casos são apenas alguns dos que evidenciam como o cheiro afeta os julgamentos das pessoas em um ponto muito além do seu nível de consciência. Em muitas ocasiões, a ciência diz que o cheiro pode ser um fator decisivo para despertar desconfiança ou rejeição. Fonte: https://amenteemaravilhosa.com.br

Nenhum comentário:

Bottom Ad [Post Page]

| Design por Alex Johnny Prado - Adster