Full width home advertisement

Biologia

Saúde

Medicina

Post Page Advertisement [Top]

destaquepsicologia

8 Transtornos Mentais Que Podem Disfarçar-se Em Hábitos Comuns

"Muitas vezes, tendemos a interpretar o comportamento de uma pessoa como um ato que reflete o seu caráter, no entanto, os comportamentos nem sempre nos dizem tudo o que precisamos saber sobre a personalidade de alguém"
 
O desejo de classificar as pessoas e julgá-las nos impede de ver coisas que possam explicar a razão desse comportamento e, de acordo com proeminentes psicoterapeutas americanos, Beck e Arthur Freeman, autores de "Cognitive Therapy of Personality Disorders", algo maior muitas vezes se esconde em comportamento anormal que pode indicar uma doença mental com os mesmos sintomas. 
 
Para que você possa tentar identificar esses transtornos em seus estágios iniciais e prevenir seu desenvolvimento e/ou tratá-los, e principalmente para não se apressar em julgar as pessoas por causa de seu comportamento, reunimos para você oito traços de personalidade que muitos de vocês encontraram em uma determinada pessoa e talvez tenham interpretado incorretamente. 
 
1. Irresponsibilidade 
 
O problema: Esse tipo de transtorno inclui pessoas que querem trabalhar menos e descansar muito mais. É verdade que a maioria de nós quer isso, mas há algumas pessoas que estão dispostas a levar isso ao extremo. Por exemplo, uma pessoa que trabalha em uma empresa e tira um grande número de dias de folga, licença sem vencimento às suas próprias custas ou que chega permanentemente atrasada ao trabalho pode ser diagnosticada por psiquiatras como tendo um transtorno de personalidade anti-social. Este distúrbio inclui outros sintomas, como: O desejo de mentir frequentemente – ou outras formas de engano por prazer ou ganho pessoal. Um desrespeito imprudente pela sua segurança pessoal e econômica - podem abandonar o emprego sem se preocuparem previamente com alternativas. Viver às custas dos outros - ficar em casa, gastando o dinheiro dos outros e não expressar remorso por isso. Fazer compras não planejadas. A solução: A maneira de lidar com pessoas que sofrem desse tipo de transtorno é por meio do gerenciamento de tempo e de recompensas. Por exemplo: prometa a si mesmo um presente ou uma pequena recompensa se conseguir seguir um plano que definiu com antecedência por alguns dias e, se conseguir cumpri-lo, compre o que prometeu a si mesmo e passe para a próxima meta. Isso o ajudará a desenvolver a capacidade de criar e manter uma programação que mais tarde poderá adaptar a um estilo de vida regular e organizado. 
 
2. Timidez excessiva 
 
O problema: A timidez é um sentimento de medo ou desconforto que existe em uma pessoa que está na companhia de outras pessoas e que muitas vezes se deve à falta de autoconfiança. A timidez excessiva pode levar ao isolamento total e até mesmo à relutância em fazer contato com o mundo exterior em casos extremos. Pessoas que sofrem de timidez criam uma espécie de “muro emocional” que as impede de sentir necessidade de se conectar com outras pessoas, a ponto de optarem por trabalhar em ambientes anti-sociais ou optarem por participar de outras atividades que não sejam sociais de forma alguma. Embora rara, a introspecção excessiva pode levar a um transtorno de personalidade esquizóide que inclui os seguintes sintomas: Indiferença a críticas ou elogios. A ausência de amigos próximos ou a presença de apenas um amigo próximo. Tendência a mergulhar frequentemente em sonhos e fantasias. Frieza emocional, desapego e pouca emoção. A solução: Esse distúrbio pode ser tratado por meio de vários métodos de terapia, e um dos mais eficazes é participar de qualquer atividade em grupo, como aulas de pintura, pilates, aprendizado de idiomas ou ioga. Por exemplo, em vez de dizer “Não gosto de pessoas...” você deveria dizer “Não gosto dessa coisa...” (comportamento, item, roupa, hobby, aparência, etc.). Essa abordagem pode ajudar na terapia e, por meio dela, você pode começar a ver o que há de bom nas pessoas, não apenas o que há de ruim.
 
3. Procrastinação 
 
O problema: Esta secção inclui rebeldes que não desejam agir de acordo com as regras sociais. Essa característica se expressa em comportamentos como adiar ações necessárias para uma data posterior ou procrastinar na realização de diversas ações. A procrastinação pode levar, entre outras coisas, a um transtorno de personalidade passivo-agressivo, que muitas vezes acompanha a depressão crônica. De qualquer forma, esse transtorno precisa ser diferenciado de uma pequena rebelião juvenil na escola ou no ensino médio, e você pode identificar o problema através dos seguintes sintomas: Irritabilidade em resposta a determinados pedidos para fazer coisas desagradáveis, mas normais para a maioria das pessoas, como lavar louça, levar o lixo para fora e assim por diante. Produtividade muito lenta e baixa qualidade de trabalho. Hostil a conselhos úteis daqueles ao seu redor para otimizar a velocidade e a qualidade do trabalho. Críticas raivosas e irracionais às pessoas que têm autoridade para fazer algo. A solução: A complexidade do cuidado preventivo desse problema está na própria pessoa, pois geralmente ela pensa que não tem culpa e, portanto, não precisa mudar nada. Uma forma de melhorar a situação é permitir que a pessoa escolha entre duas ou mais tarefas que gostaria de realizar, outra forma pode ser através de um jogo social, onde uma pessoa que tende a procrastinar o tempo todo tem a oportunidade de sentir o que os outros sentem quando ela age dessa maneira. Na maioria dos casos, esse tratamento interromperá esse comportamento e tornará a pessoa mais sensível ao ambiente.. 
 
4. Impulsividade e temperamento explosivo 
 
O problema: Além de perigos como pressão alta e outros problemas cardíacos, uma pessoa que não consegue controlar sua raiva corre um alto risco de desenvolver um transtorno de personalidade limítrofe. Um dos sintomas típicos desta doença envolve uma mudança brusca de humor sem qualquer aviso prévio. É claro que a simples impulsividade não é tão perigosa, apenas certifique-se de que ela geralmente não vem acompanhada de temperamento explosivo e um ou mais dos seguintes sintomas: Relacionamentos românticos instáveis e amizades estranhas que não duram muito. Desperdiça dinheiro e compra produtos sem necessidade com frequência. Acelera sem prestar atenção aos outros a ponto de correr o risco de acidentes. Tédio crônico e mudanças de humor sem motivo aparente. A solução: A prevenção deste distúrbio pode ser feita através de uma variedade de tratamentos, incluindo o uso de antidepressivos (prescritos por um médico qualificado, é claro). No entanto, antes de tentar a medicação, deve-se tentar grupos de controle da raiva e de autoajuda. Outra ótima maneira poderia ser recompensar-se por controlar impulsos que antes não conseguia controlar. Por exemplo, se uma pessoa costumava ir a uma loja de eletrônicos para comprar um monitor de computador e em vez disso saía da loja com produtos diferentes de que não necessariamente precisava e, após o tratamento, consegue resistir ao impulso, depois de algumas vezes a pessoa podem se recompensar comprando algo que desejam há algum tempo. 
 
5. Autocrítica excessiva 
 
O problema: É perfeitamente normal ter consciência das nossas imperfeições e lutar para sermos a melhor versão de nós mesmos é importante, mas é preciso saber onde estabelecer os limites porque a autocrítica excessiva pode resultar num transtorno de personalidade evitável que na maioria dos casos evolui em algum momento para o pânico. ataques, depressão e distúrbios do sono. É preciso entender que a autocrítica é útil em pequenas doses e até nos impulsiona ao autodesenvolvimento, mas em grau excessivo é perigosa para a nossa saúde mental. Portanto, se uma pessoa tende a se julgar demais, deve verificar se também existem os seguintes sintomas: Raiva intensa e imediata por críticas ou opiniões contrárias. Não compartilha sua opinião para evitar desconforto social. Falta de disposição para conversar com as pessoas, exceto nos casos em que tenham certeza de aceitação. Recusa de propostas ou ideias que envolvam riscos pessoais, por exemplo: recusar uma promoção no trabalho se o trabalho exigir comunicação com novas pessoas. A solução: A prática de prevenir falsas previsões pode ser uma excelente solução para quem sofre deste transtorno. Tudo o que uma pessoa com esse transtorno precisa fazer é escrever a ação que está prestes a realizar com seu medo, por exemplo: "Se eu dirigir sozinho por uma cidade desconhecida à noite, posso ser assaltado." Depois de realizar a ação, eles deverão anotar os resultados em casa e registrar o resultado. Da próxima vez, se tiverem dúvidas ou previsões falsas sobre algo, podem abrir o caderno e ler as anotações que escreveram para ter certeza de que nada de ruim lhes acontecerá. 
 
6. Desconfiança de tudo e de todos 
 
O problema: A maioria de nós fica paranóica de vez em quando, o que é normal, mas há pessoas que ultrapassam os limites lógicos com as suas suspeitas, a ponto de abrirem contas falsas nas redes sociais, ouvirem telefonemas de outras pessoas e até contratarem detetives particulares para bisbilhotar. Uma pessoa cuja suspeita a leva a fazer tais coisas pode sofrer de um transtorno de personalidade paranóica, e os sintomas que o acompanham causam outros problemas, como: Desconfiança irracional de seu cônjuge. Procura significados ocultos nas atividades humanas comuns, por exemplo, o vizinho batendo com força a porta de sua casa para irritá-lo. Uma tendência a pensar que todos ao seu redor são culpados de alguma coisa. A falta de senso de humor e a incapacidade de ver coisas engraçadas em situações cotidianas. A solução: Uma boa forma de combater a suspeita crônica é escrever uma lista de conhecidos e amigos próximos em um smartphone ou papel e, cada vez que um deles atender a uma expectativa, marcar um visto ou um + ao lado do nome. Por exemplo, se você pensou que seus amigos do trabalho esqueceriam que você existia em uma festa da empresa, mas na verdade todos prestaram atenção em você a noite toda, marque seus nomes para que da próxima vez que você suspeitar de algo em alguém, você possa verificar o número de marcações positivas em a lista e a desconfiança desaparecerão. 
 
7. Devoção 
 
O problema: A devoção é uma característica importante e elevada que muitas pessoas procuram nas pessoas ao seu redor. É normal contar com amigos e familiares, mas você deve saber a diferença entre devoção e dependência excessiva da pessoa devotada, o que pode indicar um transtorno de personalidade dependente. O principal indício de estado grave do fenômeno é a incapacidade da pessoa de tomar sua própria decisão sem a aprovação de outra pessoa, além dos seguintes sintomas: A tendência de concordar com as pessoas ao seu redor, mesmo que estejam erradas em suas decisões. Desconforto quando fica sozinho com uma responsabilidade e necessidade de evitar ficar sozinho em geral. Praticar ações desagradáveis ou degradantes para agradar outra pessoa. Pensamentos obsessivos sobre ser traído por todos ao seu redor. A solução: A melhor maneira de combater esse distúrbio é reunir o máximo de apoio possível para suas habilidades, por exemplo, se você prepara refeições regularmente, pergunte se a comida está gostosa. Depois de receber a confirmação disso, anote. Na próxima vez que você sentir que precisa de confirmação ou garantia de alguém, dê uma olhada na lista de coisas que lhe disseram que você é bom e dê a si mesmo aquele necessário impulso na sua confiança. 
 
8. Sensibilidade extrema 
 
O problema: A sensibilidade excessiva pode ser um sintoma de transtorno de personalidade histérica, também chamado coloquialmente de "histeria". O desejo de atrair a atenção é natural no ser humano, a menos que isto leve a acessos de raiva repentinos. A característica mais significativa desse transtorno é a fala emocional e a ausência de certos detalhes na conversa ao mesmo tempo, por exemplo, perguntar “como foi a atitude da sua mãe?” A resposta provavelmente será “foi muito boa”, sem maiores detalhes. Para saber se uma pessoa sofre deste transtorno de personalidade, existem outros sintomas que podem ser diagnosticados: Uma busca constante por apoio, aprovação e elogios de uma pessoa respeitada. A incapacidade de se concentrar ao longo do tempo em uma tarefa. Mudanças rápidas de humor Intolerância à procrastinação com desejo constante de fazer algo. A solução: Uma das melhores maneiras de combater a histeria é trabalhar com um cronômetro. Você deve definir um cronômetro para 30 minutos ou uma hora e executar uma tarefa dentro desse período. Embora pareça fácil, este exercício será difícil de realizar para uma pessoa excessivamente emotiva devido à incapacidade de permanecer no mesmo lugar por muito tempo. Além disso, é difícil para essas pessoas estabelecerem metas porque geralmente fantasiam sobre algo maravilhoso, mas indefinido, portanto, estabelecer uma meta exata é o melhor método para elas. Pode ser aprender a preparar um risoto até o final do ano ou promover um determinado produto dois meses após tomar essa decisão. Fonte: https://www.tudoporemail.com.br

Nenhum comentário:

Bottom Ad [Post Page]

| Design por Alex Johnny Prado - Adster