Full width home advertisement

Saúde

Biologia

Medicina

Post Page Advertisement [Top]

ciências

Unicamp Cria Colírio Que Evita Perda de Visão em Diabéticos

"Uma dupla de pesquisadoras brasileiras desenvolveu um colírio que previne e combate a perda da visão entre os diabéticos, a chamada retinopatia diabética"

A grande vantagem desse achado é o fato de não ser invasivo. Por ser tópico não implica em riscos e cria uma barreira contra as alterações neurodegenerativas que afeta os diabéticos.

Vinculadas às faculdades de Ciências Médicas (FCM) e de Engenharia Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), as cientistas disseram que a descoberta foi feita a partir de uma pesquisa que já dura cerca de duas décadas. É consequência de um estudo de 20 anos para entender o mecanismo de ataque das células nervosas e de irrigação sanguínea no tecido ocular.

Devido à hiperglicemia – excesso de açúcar no sangue no organismo dos diabéticos – vários órgãos podem ser comprometidos.

Em aproximadamente 40% dos casos, a diabetes leva a complicações na retina provocadas pelo efeito nocivo da glicose. Quando isso ocorre, o sistema nervoso e vascular são drasticamente alterados na região dos olhos, provocando cegueira. Isso ocorre, muitas vezes, justamente no momento em que a pessoa está em idade ativa.

Atualmente, procedimentos como a fotocoagulação com laser e a injeção intravítrea são consideradas opções menos invasivas para o tratamento da retinopatia diabética.

As pesquisadoras da Unicamp manifestam a expectativa de que a descoberta sirva não apenas para a cura dessa doença, mas para outras anomalias graves da visão, como o glaucoma.
 

Eficácia comprovada

Diversos testes realizados nos laboratórios da Unicamp comprovaram a eficácia da fórmula. Entretanto, o colírio ainda precisa ser submetido à fase clínica de testes, incluindo ensaios em seres humanos, antes de ser transformado em medicamento e vendido comercialmente.

Como os testes e ensaios dependem do interesse de empresas em fazer o licenciamento da tecnologia em parceria com a agência de inovação da universidade, ainda não há previsão de quando o medicamento será liberado e comercializado ao amplo público.

Em testes iniciais com roedores, não foram observados quaisquer efeitos colaterais ou adversos – e o colírio mostrou-se absolutamente eficaz na proteção do sistema nervoso da retina.

A pesquisa foi realizada pela professora Maria Helena Andrade Santana, a pesquisadora Mariana Aparecida Brunini Rosales e a aluna de mestrado Aline Borelli Alonso – financiada com o auxílio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério de Educação. Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Nenhum comentário:

Bottom Ad [Post Page]

| Design por Alex Johnny Prado - Adster