Full width home advertisement

Saúde

Biologia

Medicina

Post Page Advertisement [Top]

curiosidades

Veja as Consequências Que a Covid-19 Pode Provocar Em Longo Prazo

"A cobertura noticiosa típica da pandemia do COVID-19 provavelmente listará as mais recentes taxas de morte e recuperação entre os pacientes, o que certamente é suficiente para ver o quadro geral"

No entanto, vida e morte não são exatamente dois opostos, e ninguém será capaz de lhe falar sobre isso melhor do que um paciente COVID-19 que está conectado a um ventilador por semanas ou o paciente que foi submetido a um procedimento médico, induzido ao coma e conseguiu se recuperar.
 
Para as pessoas que experimentaram o lado mais sombrio deste novo e perigoso vírus, dos quais existem milhares e milhares, a doença não terminou no dia em que receberam alta do hospital, e muitas sofrerão consequências físicas e mentais da doença em longo prazo. Embora os cientistas ainda não saibam muito sobre esses efeitos residuais de infecções graves por SARS-CoV-2, é importante estar ciente das coisas que sabemos. 
Abaixo, examinamos os possíveis efeitos à saúde em longo prazo do COVID-19 e as populações mais suscetíveis a eles.

Quais pacientes com COVID-19 têm o maior risco de experimentar efeitos à saúde em longo prazo?

Como você provavelmente sabe, nem todos os pacientes experimentam uma infecção por SARS-CoV-2 da mesma maneira, alguns podem até ser assintomáticos e nunca saberão que tiveram o vírus.

Portanto, é lógico que aqueles que são assintomáticos e os que se recuperaram de uma forma fácil do vírus possam notar muito poucas, se houver, mudanças no seu bem-estar.
Pacientes que sofrem de um caso leve de COVID-19 podem sentir fraqueza e fadiga por algum tempo ou ter tosse e dores no peito por algumas semanas após a recuperação, mas é apenas isso.
De um modo geral, as pessoas que apresentam os maiores riscos de desenvolver efeitos em longo prazo são aquelas que tiveram pneumonia e necessitaram de oxigênio enquanto testaram positivo para o vírus.
As populações de alto risco incluem: 
  • Pessoas com mais de 65 anos
  • Pacientes diabéticos
  • Pacientes com doenças crônicas - fígado, pulmão, coração e rins
  • Pessoas com sistema imunológico comprometido
  • Pessoas com obesidade mórbida.

Os efeitos físicos de longo prazo do COVID-19​

COVID-19 é uma infecção respiratória viral, portanto, um dos principais efeitos residuais da doença envolve o sistema respiratório. Aqueles que tiveram um caso de moderado a grave do vírus podem sofrer de asma, falta de ar e respiração irregular por um tempo prolongado.
Pacientes graves com coronavírus também podem desenvolver Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SDRA) no curso da doença, que é uma lesão pulmonar com risco de morte, na qual fluidos vazam para os pulmões. A SDRA é uma emergência médica, e os pacientes que superaram a condição geralmente requerem tratamento em longo prazo e um longo processo de reabilitação.
Além disso, a COVID-19 aumenta drasticamente o nível de inflamação no corpo, o que pode levar a danos em outros órgãos e tecidos. Os médicos sabem que alguns pacientes graves podem sofrer danos cerebrais, renais e cardíacos em longo prazo como resultado de insuficiência pulmonar, mas também existem estudos na China que encontraram uma incidência acima do normal de danos renais e cardíacos em pacientes com Coronavírus.

Um quadro semelhante parece seguir também no mundo ocidental, com um artigo recente do Washington Post concluindo: “clínicos em todo o mundo estão vendo evidências que sugerem que o vírus também pode estar causando inflamação no coração, doença renal aguda, mau funcionamento neurológico, coágulos sanguíneos, lesão intestinal e problemas hepáticos ”.
Por fim, as semanas passadas sob o ventilador, ou simplesmente na cama, sem apetite ou força para se mover, podem enfraquecer o sistema músculo-esquelético, o que significa que muitos pacientes podem ficar fracos e ter sua mobilidade prejudicada após a doença.

Efeitos neurológicos e mentais das infecções por SARS-CoV-2

Os efeitos em longo prazo no cérebro. O cérebro humano depende de um suprimento constante de oxigênio, e infecções respiratórias dos pulmões, como o novo coronavírus, podem reduzir significativamente o suprimento de oxigênio ao cérebro. Como resultado, os pacientes podem sentir sintomas neurológicos durante e após a doença. Confusão, incapacidade de concentração, problemas de memória e alterações de humor são apenas alguns dos sintomas cognitivos que os pacientes com COVID-19 podem experimentar, mas os pesquisadores ainda não sabem ao certo por quanto tempo esses sintomas podem persistir.
Outra maneira pela qual o vírus pode estar afetando o cérebro é bastante direta, e um estudo chinês recente publicado no prestigiado jornal JAMA sugere que o vírus pode estar atacando o tronco encefáicol - a área do cérebro que conecta a medula espinhal e os hemisférios cerebrais, e é responsável por várias funções corporais essenciais, incluindo respiração e percepção sensorial.

Os autores deste estudo sugerem que um dos primeiros sintomas dos pacientes com COVID-19 é frequentemente a perda do olfato, o que, como sugerem os pesquisadores, significa que o vírus está danificando o tronco encefálicol e, possivelmente, até os centros respiratórios. Ainda estamos para encontrar mais confirmação dessa teoria em estudos futuros.
Efeitos mentais​. Para algumas pessoas, os efeitos colaterais físicos do COVID-19 não são os piores, mas é o trauma psicológico que continuará afetando suas vidas em longo prazo. Não é segredo que doenças graves surgem com certas repercussões mentais, com muitos pacientes em terapia intensiva, hospitalizados com COVID-19 ou não, e aqueles que passaram muito tempo no hospital experimentando frequentemente sintomas de trauma, ansiedade, depressão e até PTSD como resultado.
Conhecendo o estigma e o medo em massa do novo coronavírus que todos observamos em nível mundial, só podemos imaginar como pode ser traumatizante sofrer da doença. Além disso, a vida de muitos pacientes muda drasticamente quando recebem alta do hospital ou, finalmente, saem do auto-isolamento, e muitos não conseguem mais manter um estilo de vida do qual costumavam fazer parte; portanto, qualquer reação mental adversa do COVID-19 nos pacientes são completamente justificadas. Infelizmente, a validação desses sintomas não facilita sua vida.
A conclusão é que ainda existem muitas coisas que não sabemos sobre o Coronavírus e seus efeitos em longo prazo no corpo e na mente humanos. Dito isto, parece que a maioria das pessoas com uma forma leve da doença parece se recuperar totalmente da infecção em questão de poucas semanas. Para aqueles que sofreram com uma forma grave de COVID-19, no entanto, levará muito tempo para se recuperar tanto física quanto mentalmente. Fonte: tudoporemail.com.br

Nenhum comentário:

Bottom Ad [Post Page]

| Design por Alex Johnny Prado - Adster